quinta-feira, 3 de março de 2011

Convite: "De Malangatana a Matalana - Ida e Volta"




"De Malangatana a Matalana - Ida e Volta" é uma tertúlia com com o Professor Frederico Pereira* e vai acontecer no espaço do Instituto no dia 10 de Março de 2011, às 17 horas

*Professor Catedrático. Licenciado pela Universidade de Paris Sorbonne.

Mestre e Doutor pela Ecole dês Hautes Etudes en Sciences Sociales (Paris).
Psicanalista didacta.
Membro titular da International Psychoanalytical Association (I.P.A.).
Membro titular da International Association Of  Relational Psychoanalysis
Desempenhou diversos cargos e funções no meio psicanalítico (membro da direcção de Sociedade Portuguesa de psicanálise durante dez anos (Secretario cientifico, vice-Presidente e Presidente, em dois mandatos);membro Analytic Practice and Scientific Activities  Committee da I.P.A.(2005-2007;2007-2009),membro do conselho cientifico permanente dos Cpngressos da European Federation of Psychoanalysis (2006-2008);membro titular da British Psychological Soviety; da American Association for the Advancement of science,da European associatiopn for research in learning and instruction (EARLI) de cuja direcção fez parte por dois mandatos,. Membro do Intenational advsisory board dos DELPHI Seminars, consultor permanente do European Festival on film and Psychoanalysis, director e co director de varias revistas internationais e membro do conselho cientifico de revistas como  EVOLUTIOMN PSYCHIATRIQUE, clinical Psychpsychology and psychotherapy, etc autor  e “editor” de livros entre os quais “Fairbairn and Relational Theory(com David Scharff),” Penelope ou finalmente chegou a Primavera,”” Sonhar ainda”,” Cognition and context””literatture and Psychoanalysis (12 volumes).

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Em vida, Malangatana sempre carregou às costas a sua comunidade em Matalana, quer nos quadros que pintava quer nos projectos que concebia. Mas nunca a terra natal do idolatrado artista plástico Malangatana Valente Ngwenya foi centro das mais variadas atenções, incluindo as da imprensa. Aliás, é pela mão da imprensa que a pobre aldeia situada a cerca de 12 quilómetros da sede distrital de Marracuene percorre o mundo como o local de nascimento, mas também de eterno retorno do maior pintor moçambicano

    Da cidade de Maputo à vila de Marracuene são aproximadamente 30 quilómetros de asfalto impecável. Ao cabo de mais sete quilómetros pela EN1 (Estrada Nacional Número 1) chega-se ao desvio para Matalana. Do desvio até à residência de Malangatana, são cerca de cinco quilómetros feitos em uma estreita estrada de terra batida que corta a savana tropical em solos arenosos. A pobreza da aldeia constata-se nas dispersas casas de construção precária e nas pequenas machambas cujo perímetro encerra várias culturas, com destaque para milho e amendoim.

    Foi nesta Matalana que Malangatana nasceu e passou a sua infância. Foi esta aldeia que Malangatana globalizou nos seus quadros e nos seus discursos.
    Foi esta Matalana que Malangatana escolheu para ser sepultado, um desejo que a família vai cumprir e o Estado vai respeitar.

    ResponderEliminar